Motor fundido: como prever e evitar danos futuros

Motor fundido: como prever e evitar danos futuros

24 de setembro de 2018 5 Por Fábio Siqueira

O motor fundido está relacionado, muitas vezes, à falta de cuidados simples com o veículo. Mas mesmo fazendo a manutenção básica este problema pode acontecer.

Normalmente, não há como consertar, sendo necessário realizar uma retífica:  reconstrução dos componentes, como pistões, bielas, eixo e até mesmo o bloco do motor. Em geral, os motores não tem uma quilometragem padrão de vida útil, mas defeitos, como o motor fundido, costumam ocorrer após os 150.000 quilômetros rodados.

O que leva a um motor fundido?

Por mais que as peças que constituem o motor sejam de metal, elas também têm um limite de temperatura de funcionamento. Quando o motor esquenta demais, as peças começam a trincar e empenar dentro do bloco como se estivessem derretendo ou fundindo. Daí a expressão motor fundido.

Principais causas do motor fundido:

Lubrificação incorreta ou inexistente

Esquecer de trocar o óleo do motor, rodando com o mesmo por mais de 20 ou 30 mil quilômetros, ou utilizar um óleo diferente do que está descrito no manual do veículo está no topo da lista de causas.

Sem a lubrificação correta, as partes metálicas começam a bater entre si, gerando um atrito que eleva demasiadamente a temperatura interna do motor.

Refrigeração ineficiente

Em muitos carros, fazer o correto arrefecimento não é simplesmente colocar água no radiador. Os mais modernos, principalmente os importados, exigem também um aditivo que acelera o resfriamento da mistura líquida e contribui para manter a temperatura interna do motor dentro do limite, o que ajuda a evitar o motor fundido.

Além disso, deixar o reservatório abaixo do nível mínimo compromete a refrigeração do motor e contribui para o aquecimento exagerado. O mesmo acontece com o excesso de líquido.

Por isso, mantenha o fluido de arrefecimento sempre entre o mínimo e o máximo indicados no reservatório para evitar o motor fundido.

Vazamentos

Com o passar do tempo, as mangueiras ressecam e podem ocorrer vazamentos de óleo ou líquido de arrefecimento. As borrachas de vedação, chamadas de retentores, fazem a selagem de partes do motor.

Estes retentores envelhecem e podem causar vazamentos em outros pontos. Desta forma, menos óleo ou líquido de arrefecimento chega ao bloco do motor, causando um dos dois problemas citados acima.

Se não forem corrigidos em tempo, vazamentos podem também causar danos graves, como o motor fundido.

Como identificar falhas graves no motor?

problemas no motor

O motor fundido pode dar sinais antes de danificar seu carro por completo.

De fato, quando o carro chega ao nível de estar com o motor fundido, ele sequer conseguirá andar. Mas existem alguns sintomas que ajudam a identificar falhas graves:

1. Dificuldade em dar a partida

Tanque cheio, bateria nova, alternador em ordem e, mesmo assim, o motor demora a pegar. Muitas vezes, isso acontece quando há pouca lubrificação.
Nesse caso, temos duas opções: ou o óleo não conseguiu deixar o cárter para chegar até o motor ou então o óleo velho já criou uma borra dentro do bloco do motor.
Em ambas as situações, as peças começam a funcionar como se estivessem travadas, causando um atrito excessivo entre elas e dificultando o funcionamento do motor.

2. Trepidações

Com o carro parado ou andando, se o motor estiver trepidando,  isso pode indicar, além do atrito das partes metálicas, uma falha no sistema de injeção de combustível, que pode ser elétrica ou mecânica.
Em todo caso, é fundamental fazer uma verificação completa para ter certeza que não há sinal de motor fundido.

3. Motor apitando

Comum em carros mais antigos, especialmente os que ainda tem carburador.
Se você perceber um barulho parecido com um apito, mesmo que intermitente, é importante realizar a checagem da lubrificação e, em alguns casos, do bloco do motor.
Na maioria das vezes, esse som indica que o rolamento do eixo virabrequim esteja girando em atrito com alguma parte do bloco, causando o desgaste próprio e de outros componentes.

4. Fumaça preta saindo pelo escapamento

Geralmente, indica que o combustível não está sendo queimado da forma correta, sendo mais comum em carros com carburador, mas podendo ocorrer também nos que têm injeção eletrônica.
No entanto, o combustível pode estar em excesso, chamada de mistura rica, ou em falta, mistura pobre.
Se não for corrigido a tempo, seu carro pode apresentar depósito de sujeira nos pistões, elevação de temperatura interna e assim,  ter o motor fundido.

5. Fumaça branca saindo pelo escapamento

É sinal de que o óleo que deveria lubrificar o motor está sendo queimado junto com o combustível. 

É um problema grave e indica vários defeitos, desde lubrificação incorreta, até rachaduras no motor, que permitem a entrada de óleo nos pistões.

Como evitar esse problema?

A manutenção preventiva é sempre a melhor opção para não ter o motor fundido. Portanto, mantenha o óleo e o fluido de refrigeração sempre novos e dentro dos limites indicados, troque os filtros do carro, como o de ar, óleo e combustível periodicamente, como indicado no manual.

Além disso, tenha atenção na forma de conduzir, evitando hábitos que contribuem para o desgaste do motor.

O que achou das nossas dicas para evitar problemas com motor fundido? Comente aqui se tiver mais dicas sobre o assunto.

Summary
Review Date
Reviewed Item
Motor fundido: como prever e evitar danos futuros
Author Rating
51star1star1star1star1star
mm

Fábio Siqueira

Mecânico há mais de 25 anos, restaurador, colecionador e curioso pelo mundo automotivo e suas constantes evoluções. Apaixonado por carros e entusiasta desde criancinha.
mm