Vibração no volante: identifique as causas e evite problemas

Vibração no volante: identifique as causas e evite problemas

23 de outubro de 2018 0 Por Fábio Siqueira

Os carros estão ficando cada dia mais tecnológicos, avançados e seguros. O computador de bordo está se tornando um item cada vez mais comum nos veículos, até mesmo em modelos populares e de baixo custo, e com ele o motorista sempre recebe alertas constantes sobre a saúde do carro. No entanto, o automóvel ainda é em grande parte uma máquina feita de interações mecânicas e nem todo alerta de manutenção virá pelas luzes do painel. É o caso da vibração no volante.

O volante é o ponto de contato principal do motorista com o carro e ele é o responsável por dar os feedbacks mais importantes do caso, seja em relação à dirigibilidade e segurança, seja em relação à manutenção do carro. Por isso, é importante ficar atento no que ele tem a dizer sobre a saúde do conjunto mecânico do carro e, quando ele começa a vibrar, pode ser sinal de alguns problemas.

Pode parecer óbvio observar a vibração no volante e tentar identificar suas causas, mas esse comportamento ainda é negligenciado por muitos motoristas e não tem nem de longe a mesma adesão de manutenções preventivas como a troca de óleo e a troca dos pneus.

6 problemas que causam a vibração no volante

A vasta maioria dos motoristas ainda acredita que vibrações no volante, sejam elas constantes ou intermitentes, são simplesmente consequências do tempo de uso e que não é algo para se preocupar. Ledo engano. Apesar de serem sim, muitas vezes, provenientes do tempo de uso do veículo, o volante vibrando informa ao motorista justamente que existem componentes mecânicos do carro extremamente desgastados e que precisam de cuidado.

A fonte da vibração pode variar bastante, mas nós separamos as 6 principais para você ficar de olho enquanto dirige para tentar evitar problemas que possam levar à perca de segurança do carro. Nossa lista de potenciais problemas que levam o volante a vibrar vai dos menos graves, para os mais graves. Vamos lá.

1. Falta de alinhamento e balanceamento faz o volante vibrar

alinhamento e balanceamento - vibração no volante

Esse é o tipo de vibração mais comum que costuma ser transmitida para o volante. A falta de alinhamento e balanceamento adequado podem fazer o volante vibrar, especialmente na estrada, em altas velocidades. Carros com direção mecânica costumam transmitir esse feedback com mais clareza, mas os veículos com direção hidráulica e elétrica eventualmente também podem começar a vibrar.

Se o volante do seu carro está apresentando esse comportamento e o carro também exibe outros sinais como sons de pequenas cantadas de pneu em curvas e rotatórias, é bastante provável que o problema seja mesmo a falta de alinhamento e balanceamento. A boa notícia é que esse problema é fácil de resolver: basta levar a qualquer centro automotivo para fazer o ajuste, que costuma ser barato.

Ah, se você teve que realizar a troca de um dos pneus dianteiros por conta de furos ou outros problemas, pode ser que isso faça o volante vibrar também, afinal o estepe estará desalinhado em relação ao conjunto. A resolução do problema ainda é a mesma que citamos acima.

2. Falta de calibragem dos pneus também faz o volante tremer

falta de calibragem - vibração no volante

A falta de calibragem dos pneus talvez seja um dos vilões ocultos que podem fazer o volante trepidar. Pneus com calibragem muito abaixo ou muito acima das indicadas pelo fabricante podem levar os pneus à condições de uso para as quais ele não estava preparado, fazendo o volante vibrar.

Outro motivo pelo qual o volante pode trepidar é ter calibragens diferentes em cada um dos pneus. Ou seja, se você não faz a calibragem dos pneus regularmente, um pode começar a murchar mais rápido que o outro e isso leva a trepidações não só no volante, mas na carroceria do carro inteira.

3. Problemas no conjunto de suspensão podem causar vibrações

problema na suspensão - vibração no volante

O conjunto de suspensão do carro é um dos principais itens que garantem não só o conforto, mas também a segurança dos ocupantes. Por isso, quando está com problemas, a suspensão também costuma se manifestar através de vibrações no volante do carro para alertar o motorista de que algo precisa ser feito.

Os principais componentes que podem apresentar problemas são os amortecedores, barras estabilizadoras, barras de direção e pivôs. São eles os responsáveis pelo amortecimento do carro, controle de segurança e também de direção do veículo, então é com certeza um conjunto muito importante.

Um amortecedor danificado, seja ele sem óleo ou gás, perde completamente seu papel e deixa o veículo apenas sobre o efeito das molas. Isso faz com que o carro fique com a “roda louca”, como costuma se dizer. Sem controle de absorção dos impactos e imperfeições da via, toda a vibração causada pela falha no amortecimento é transmitida para o volante com muita força.

No caso das barras estabilizadoras e de direção, o sinal pode ser um pouco mais tímido. As vibrações nesse caso não costumam ser tão pronunciadas como nos casos de problemas com o amortecedor, mas elas existem sim e são acompanhadas por outros sinais como a dificuldade em manobras e trepidações em certas posições de esterço.

Em caso de problemas com os pivôs, as vibrações também costumam ser menores, mas uma característica marcante dos problemas ocasionados pela condição dessas peças é o barulho e a sensação de que “está tudo solto debaixo do carro”, além da vibração mais tímida na barra de direção.

Carros rebaixados também podem apresentar problemas

Quem tem um carro rebaixado pode passar por esse tipo de situação com mais frequência. O mal dimensionamento da nova suspensão ou até mesmo problemas comuns como o contato das rodas ou do conjunto de suspensão com a lataria durante esterçamentos ou ondulações na pista podem fazer o volante vibrar.

4. Problemas no motor que afetam a direção hidráulica

problema na boma da direção - vibração no volante

Existem alguns problemas que acontecem no motor e podem não ter nenhuma ligação física com a integridade do conjunto de direção e suspensão do carro. É o caso dos problemas no motor que levam ao mau funcionamento da direção hidráulica.

Quando o carro está falhando ou com problemas de potência, isso pode afetar o bombeamento do óleo que faz a direção hidráulica funcionar. Uma bomba funcionando intermitentemente, por exemplo, pode fazer o volante vibrar já que o bombeamento de óleo para a direção é irregular e o motorista sentirá isso como uma vibração leve.

Já falamos bastante sobre isso num post dedicado aos problemas na caixa de direção, então vale a leitura para entender melhor quais problemas podem se manifestar nesse componente causando a vibração.

5. Problemas no sistema de freios podem trepidar a direção

problemas nos freios - vibração no volante

Os problemas nos freios que causam vibração e trepidação são bastante fáceis de identificar, na maioria dos casos. Isso porque eles costumam ocorrer durante as frenagens, causando vibrações e trepidações no volante somente nesses momentos.

As causas podem ser discos muito desgastados que levam ao desalinhamento da sua superfície, causando vibrações quando as pastilhas entram em contato com ele ou até desgaste irregular das pastilhas, fazendo a frenagem oscilar gerando uma trepidação na coluna de direção.

Porém, existe também os casos onde o disco de freio está tão irregular em sua superfície que a distribuição da sua massa é afetada, causando vibrações no volante mesmo sem precisar pisar no freio. Nesses casos, os discos atuam como um pneu desbalanceado, gerando e transmitindo vibrações durante seu giro.

6. Problemas com o eixo dianteiro causam contra-esterço e vibração

problema no eixo - vibração no volante

Problemas com o eixo dianteiro também podem causar vibrações no volante, mas esse pode ser o menor dos problemas nessa situação. O eixo é o conjunto responsável por transmitir a potência do câmbio para as rodas e, no caso da vasta maioria dos carros nacionais, tudo isso acontece na parte frontal do veículo devido à configuração de tração dianteira.

Quando os eixos e semi-eixos são danificados por algum alguma batida, eles irão invariavelmente entortar e perder o balanceamento projetado na fábrica, causando as vibrações no volante. Esse tipo de vibração costuma acontecer na rodovia, quando o carro está em altas velocidades. Na cidade, é difícil de identificar o problema.

O problema nos eixos pode relevar um passado inconveniente do veículo, indicando que ele possa ter passado por algum acidente ou colisão frontal. Porém, não é apenas por isso que surgem problemas nos eixos: podem ocorrer pancadas com os eixos em terrenos muito acidentados, já que eles ficam desprotegidos debaixo do carro e isso levar a um entortamento.

Outra indicação da gravidade do problema pode ser o contra-esterço e o carro jogando para alguns dos lados enquanto se está dirigindo. Durante as frenagens, se o carro for jogado para um dos lados isso também pode indicar que o eixo sofreu alguma colisão.

Evite o desgaste físico de conviver com a vibração no volante

Pode não parecer, mas a vibração excessiva do volante pode causar fadiga e até esgotamento do motorista muito mais rápido do que um volante em perfeitas condições. As vibrações geralmente são acompanhadas por pequenos ajustes de direção no volante que, com o tempo, cobram seu preço e podem fazer uma viagem de 3h parecer ter o dobro do tempo.

Por isso, fique atento aos sinais e vibrações no volante para identificar e sanar o problema o mais rápido possível, evitando problemas de saúde e de segurança. Até a próxima!

Summary
Review Date
Reviewed Item
Vibração no volante: identifique as causas e evite problemas
Author Rating
51star1star1star1star1star
mm

Fábio Siqueira

Mecânico há mais de 25 anos, restaurador, colecionador e curioso pelo mundo automotivo e suas constantes evoluções. Apaixonado por carros e entusiasta desde criancinha.
mm